7 de janeiro de 2010

Cinema é a maior diversão!

Ontem lutei contra a preguiça que se abate sobre mim nesses dias de calor infernal e úmido e resolvi ir ao cinema. Qualquer filme estava valendo, já que minha escolha de lazer se dava mais pela culpa em não ter visto tantos filmes que já saíram de cartaz, do que pela vontade em assistir essa ou aquela película específica. Acabei entrando no primeiro cinema que apareceu no percurso entre a Livraria da Travessa de Ipanema, onde estava, e a loja onde tinha que trocar um presente de Natal. E o filme em cartaz...ah, o filme foi, afinal, o verdadeiro e inesperado presente: "Procurando Elly", do iraniano Asghar Farhadi, que, aposto, concorrerá ao Oscar "estrangeiro".

E o melhor é que a cada vez que penso nele, mais eu gosto de sua simplicidade, da ausência de efeitos especiais, da câmera que deixa "a vida rolar", da história que começa devagarzinho e vai apresentando um país e um povo que absolutamente não nos deixam conhecer, a não ser por suas mazelas políticas e religiosas.

Ignorante total, me encontrei descobrindo que, afinal, existem seres humanos normais no Irã, gente! A julgar pelo que nos traz a mídia internacional, é de pasmar que nem só de Aiatolás e talibãs viva o mundo muçulmano. Imaginem só: eles tem turmas, filhos, namorados, alugam casas para um fim de semana, cozinham juntos, contam piadas, gargalham até. Não é incrível? Não andam pelas ruas com bombas na cintura, não levam suas mulheres pela coleira, não fazem lavagem cerebral em suas criancinhas. Um espanto.

E foi isso o que mais me apaixonou no filme: para além de uma história bem contada - se o início é leve e ingênuo, a partir do meio, quando do desaparecimento de Elly, se tranforma numa rede de tensões - para além de ótimos atores (destaque para Golshifteh Farahani, aquela que foi banida do Irã por ter participado de "Rede de Mentiras"), ele retrata costumes tão distintos dos nossos quanto o são, me permitam a analogia, o biquine fio dental e a burca, absolutamente diferentes e igualmente símbolos da submissão feminina.

Enfim, recomendo entusiásticamente. É uma delícia.
E vivas ao povo e ao cinema iraniano!

10 comentários:

Ana Paula disse...

eu adoro cinema iraniano!!! Na verdade, o Iran está entre os 12 países que mais produzem filmes. Ele cresceu muito exatamente por conta de um aiatolá que após a revolução assumiu o governo e proibiu filmes americanos..o problema é que eles queimaram muitas salas que tinham nomes americanos. Entao hj só existem cerca de 300 salas de cinema no país e parece que só passa produção nacional. ouvi falar (de uma amiga que tem família lá) que existe uma boa escola de cinema no Iran. nesse filme tinha criança?? a maioria tem pq grande parte dos filmes sao financiados pelo ministerio da criança e do adolescente...enfim..depois falamos mais sobre isso!!
beijos!!
ap

Primeira Pessoa disse...

Retribuo com alegria a sua visita e encontro esse recanto delicioso, tirado de algum cantinho feliz do Rio.
Voltarei muito.
Abraços do
Roberto.

gentil carioca disse...

AP, tem crianças, sim, uma delas, inclusive, é quem detona a trama misteriosa. E valeu por seus "adendos culturais". See you soon.

Roberto, thanks pelas gentis palavras. Volte sempre, assim como eu estarei também lá no Primeira Pessoa.

bjs

helia disse...

Uma boa sugestão para ver o filme. Espero que ele chegue a Portugal. Felicidades para o Novo Ano que começou há poucos dias

pinguim disse...

É um filme que parece valer a pena ver, se aqui chegar, claro...
ontem fui ver o "Avatar" que achei fabuloso....
Beijinho.

gentil carioca disse...

Helia, deve chegar por aí, sim. É o representante do Irã para o Oscar e ganhou o Urso de Prata, se não me engano.

Pinguim, Avatar está na minha ista, desde que em 3D (nunca assiti filmes em 3D, estou curiosa com a brincadeira).

bjs

E. Campos disse...

Parece interessante.
Acho que nunca vi um filme iraniano. Se depender da locadorinha que uso, vou continuar com Steven Seagal.
Doris Lessing passou a infância no Irã. Na autobiografia dela ela fala muito da beleza do país e da neve. Difícil associar o Irã à neve, mas neva por lá. Uma vez assisti a um documentário sobre Mossadegh, que me pareceu um cara digno. Mas contrariou interesses britânicos e americanos, coisa que ninguém pode fazer. Então veio o Shah playboy, depois Khomeini, até chegar no pequeno Ahmadinejad, sempre sorridente e vestido com simplicidade.
O Ocidente não está com nada.
Parece que toda essa propaganda ruim é posterior à crise do petróleo e à encheção de saco dos americanos, que pintam de inferno tudo o que não é consumo.
Mas o William Bonner também faz isso todas as noites.
Vou ver se assisto em SP. Gostei do trailer. Mulherada bonita.
Valeu.

gentil carioca disse...

E., o que estraga a maior parte dos países de qualquer lado da Terra é a escória que ascende ao poder e trata de impor suas "crenças" sociais, econômicas e religiosas. E Ahmadinejah, exemplo disso, é um ditador nojento que pode se vestir de qualquer forma que não vai melhorar sua essência daninha.
Minha simpatia é, sim, pelo povo do Irã e adjacências, pelos muçulmanos íntegros, inteligentes e charmosos que raramente são ouvidos por nós ocidentais e que são ocultos pela sombra negra dos aiatolás de plantão e, claro, pela mídia controladora internacional.
Qto à neve por lá, tenho uma passagem interessante pra contar: morei na Alemanha por um tempo e fiz um curso de alemão especial para exilados políticos (eu era penetra, claro). Meus colegas, então, eram egípcios, afegãos, tinha um chinês, iraquianos e que tais. Fiquei amiga de um "persa" (ele se recusava a ser chamado de iraniano, visto não aceitar o regime pós-Xá)que me mostrou uma foto dele na neve. Sem reparar no uniforme militar e na metralhadora em suas mãos, minha pergunta imediata e idiota foi: "-Olha só, vc estava esquiando?". Adivinha a resposta..."-Não, estava na guerra mesmo!"
Pense a minha cara...
bjs

líria porto disse...

obrigadíssima pela dica - eu, que amo o almodóvar, fui assistir abraços partidos e não gostei - o cinema iraniano é da melhor qualidade!

besos

(e obrigada pelas tuas palavras lá no meu blog)

gentil carioca disse...

Líria, sempre alerta! rsrsrs
Espero que você goste.
bj