16 de janeiro de 2010

Bodas

Há vinte e cinco anos rolava o Rock'n Rio, o número um.

Lembro que chovia muito e a "cidade do rock" virou um lamaçal só: o terreno era imprópio para tais eventos, as estruturas foram construídas sobre um pântano aterrado.
Sei disso não por ter estado lá, mas por notícias de amigos e da imprensa, já que enquanto o rock rolava solto nas veias lá pelas bandas de Jacarepaguá, o soro rolava pesado nas veias de minha mãe que agonizava no hospital (ela morreria durante a reprise do show de Nina Haggen na manhã do dia 18).

Putz, difícil de acreditar que lá se vão 25 anos!!!!

25 anos durante os quais eu:
engordei, emagreci, açucarei o sangue e continuei na estrada. Me casei, mudei, separei e peguei a estrada. Viajei, voltei, fui embora e acelerei na estrada. Trabalhei, fui demitida, me demiti e a estrada, logo ali. Fiz amigos e aniversários na estrada. Amantes chegaram, alguns eu amei, outros abandonei pela estrada. Chorei muito, ri mais ainda, dancei na pista e...na estrada. Levantei, tropecei, caí e também enterrei meu coração na curva da estrada.

Tinha nuvens e sol - na minha estrada choveu e trovejou. Achei potes de ouro no fim dos arco-íris que coloriram a minha estrada. E, entre pedras e lama, cruzei mares e montanhas.

Das estradas por onde andei, sempre trago Saudades.

Deixo-vos agora, então, na companhia de uma saudosa banda que conheci nessa estrada e que esteve por essas plagas em 1985. Eu, por aqui, pretendo continuar pela estrada afora.
E que seja bem longa.

6 comentários:

mara* disse...

E eu que caminhava na contramão, na encruzilhada decidi pelo caminho que me pertencia, sonhei e derrapei. Hoje sigo pela estrada que nada promete.

Maravilha de post! Saudades do Freddie que transformava sentimentos em música.

PS: não esqueci do Moby, já tenho a trilogia bourne.

gentil carioca disse...

OK, estou esperando ansiosa...na beira da estrada.

Barbara disse...

Mother.
Não muito a escrever não.
O vácuo é o destino das mulheres sem mãe.
Não zanga com o excesso de realismo não - a minha foi embora quando eu era menininha.
Fica com a banda.
Também fico.
E te deixo 1 pedaço de afeto.

Redneck disse...

Gentil, muita coisa acontece em 25 anos, não? Também para mim aconteceu muito e muitas estradas peguei. Ainda não parei de pegar estradas, algumas com rumos definidos, outras ao léu. Me lembro que na ocasião do Rock in Rio eu ainda vivia na minha cidade no interior de SP e tentei de todas as maneiras ir ao Rio mas não consegui. O meu sonho, naquela época, era ver apenas o Queen. Foram-se sonhos e o Queen e mais um monte de coisas. Mas ainda eu não desisti de perseguir novas estradas e sonhos. Lindo post. Beijo!

pinguim disse...

Como é bom rebobinar a nossa vida durante 25 anos: como dizes, coisas boas, outras menos boas, mas um princípio básico - VIVER!
E esse tu conseguiste e bem, porque a Vida é isso mesmo.

gentil carioca disse...

B., fica com o outro pedaço...

Mr. Red, é isso mesmo: são sonhos logrados, são outros realizados. O bom é que sempre surgem novos...

Pinguim, faço o que posso para levar a vida com leveza, mesmo com todas as mazelas. Até agora, tudo bem. A vere...

bjs a todos