10 de novembro de 2009

Topando a brincadeira

Adorei a proposta de uma blogagem coletiva lançada pelo VOU DE COLETIVO. E o tema desse mês é "Brinquedos: dos mais antigos aos mais recentes".
Como o passado me apetece, de cara me transportei no tempo a lembrar de velhas brincadeiras, como a de amarrar lençóis pelo quarto, de modo a transformá-lo numa grande tenda. Ficava ali, fazendo quase nada, a não ser simplesmente estar naquele espaço meio útero, meio caverna, esperando a hora em que a fantasia era obrigada a ceder lugar para o jantar, ou, pior ainda, para o banho. Às vezes essa caverna se transformava no Banco do Brasil e eu me tornava uma bancária a carimbar papéis roubados do escritório de meu pai. Vai entender a mente de uma criança...


Lembro também de muitos carrinhos match box, de autoramas, de uma mini aldeia de índios, cheia de bonequinhos e cabanas, que ficava no "quarto proibido" da casa de meus primos maternos, meninos "mais velhos" que não curtiam nem um pouco as incursões curiosas (e por vezes destruidoras) da priminha pentelha.

E tinha pingue-pongue, pique-bandeira e queimado. Ai, que delícia jogar queimado, meu Deus! Seria capaz de jogar ainda hoje, convidada fosse. E de patins, skate, e um tipo de velocípede que era como uma pequena carroça atrelada a um cavalinho de gesso, onde ficavam os pedais.


E, claro, mas não tão importantes, algumas bonecas também, como a coitada da Suzie, solteirona e solitária avó da assanhada Barbie.


E subia em árvores no quintal de casa (em plena Copacabana, imaginem!), soltava pipa e andava de bicicleta Monareta, que costumava virar de cabeça para baixo e transformar num carrinho de pipoca imaginário...


Tempos depois, a velha e indefectível "pera, uva e maçã" me deixava tensa ante a possibilidade do primeiro beijo na boca...Êta gostosura!

Nossa! Quantas memórias guardadas e abandonadas nesse disco rígido de minha cabeça! Há quanto tempo que eu não as visitava...
Valeu, VOU DE COLETIVO, por me fazer resgatar tantos risos. E tantas amizades que já não cultivo, mas que, raízes, são o que, hoje, me fazem "eu".

6 comentários:

pinguim disse...

É curioso que também aqui se está a iniciar um projecto semelhante 'Fábrica de Letras', ao qual vou aderir e cujo tema para este primeiro mês é PRETO E BRANCO...
Vamos ver o que dará...
Beijito.

gentil carioca disse...

Qual o endereço, Pinguim? Fiquei curiosa...

marcelo dalla disse...

Aiiiii! Gostei, adorei e amei!!! O passado também me apetece, me identifiquei tanto... e também toparia jogar queimado se alguém me convidasse.
Tivemos uma infância privilegiada, não? Que bênção, muita gratidão por isso.

Me permite uma dica? Pra linkar é fácil, eu tb não sabia e uma amiga me explicou: na página da postagem tem um botão com um simbolo parecido com o infinito. Vc seleciona o texto que quer deixar como link, clica lá no botão. Vai abrir uma janelinha pra vc copiar o link em si. Dá ok e pronto!

grande bjo!

gentil carioca disse...

É, de fato, Marcelo: uma super infância (e, olha, se rolar um queimado, tô dentro!).
E brigadão pela dica. Vou tentar.
bjs

Ana Lúcia Porto disse...

Oi Sônia,

Obrigada pela visita. Que bom que está gostando do Coletivo... Vamos nos ver nele por bons tempos, ainda... Sim, fora dele, em outras postagens, também.

Verdade, lembrarmos de uma infância gostosa nos faz muito bem...

Beijos e bom final de semana,
Ana Lúcia.

gentil carioca disse...

Valeu, Ana Lúcia. Nos encontramos por aí...
bj